Cases de sucesso da Metamorfose Comunicação

( Publicação de 08 de maio de 2013- migrada do blogspot)

Três grandes experiências podem ser destacadas nos processos de comunicação da Metamorfose. Todas elas são exemplos de como a comunicação sindical pode e deve se renovar. Seja adaptando modelos antigos de comunicação a uma nova realidade, seja aproveitando as novas mídias que estão a nossa disposição.

São os cartazes da Federação dos Trabalhadores, Empregados e Empregadas em Comércio e Serviços do Estado do Ceará (FETRACE), as artes para Facebook do Sindicato dos Agentes e Servidores Penitenciários do Estado do Ceará (Sindasp/CE) e a Tv peão do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil da Região Metropolitana de Fortaleza (STICCRMF).

Cartazes da FETRACE

Quando assumimos as atividades de comunicação da Federação dos Trabalhadores, Empregados e Empregadas em Comércio e Serviços do Estado do Ceará (FETRACE), estávamos contratados para realizar os jornais informativos da entidade. Aos poucos fomos conquistando um espaço maior e hoje somos responsáveis pela elaboração de um informativo trimestral de oito páginas, postagem de notícias no site (que também foi desenvolvido por nossa equipe) e três coberturas jornalísticas mensais. Além disto, temos de desenvolver até três artes no formato A5. E os cartazes surgiram desta combinação de produtos.

O jornal da federação é um material diferenciado, tendo como público alvo o dirigente sindical filiado à entidade e não os trabalhadores de base. Tem como característica o desenvolvimento de notícias voltadas à formação e a sugestão de pautas para as entidades sindicais, sendo assim, são atemporais e possibilitaram um desenvolvimento gráfico diferenciado. Foi assim, que surgiu o cartaz comemorativo dos 50 anos da revolução cubana (2009), que veio como peça de encarte e fez tanto sucesso que acabou sendo novamente impresso e transformado em quadros pra serem presenteados pela entidade.

Depois disso, novos cartazes foram sendo criados, sempre com a premissa de que era necessária a quebra de padrões para atrair olhares e o uso de temáticas sindicais, muitas delas invocando o histórico da luta de classes.

A ideia de utilizar cores fortes e a conexão com a juventude trabalhadora, também foram características de algumas dessas peças de comunicação, a exemplo dos materiais desenvolvidos para os dois eventos de formação realizados pela federação voltados para a comunicação sindical.

Os cartazes destinados a luta das mulheres são outro destaque, neles foi dado destaque a luta por direitos esteve ligada a força da mulher. O que muitas vezes significou a quebra dos patrões de cores, como o “Somos todas margaridas” (criado para a marcha das margaridas) e a utilização de frases fortes, como “sem mulheres não a revolução”.

O cartaz Todos juntos para seguir mudando, é um dos grandes exemplos do sucesso. Criado para o VII congresso da entidade, o material possuía a imagem de vários revolucionários que se destacaram ao longo da história, e os dizeres, “eles nem sempre pensaram da mesma forma, mas todos eles fizeram a luta e mudaram o rumo da história”. O material que buscava trabalhar a unidade entre as correntes políticas da base da federação, foi elogiado tanto pelos delegados sindicais presentes, quanto pelas autoridades convidadas, dentre elas deputados e vereadores que citaram o cartaz e mencionaram alguns dos revolucionários presentes no material.

Mais uma vez, o cartaz foi impresso e emoldurado para ser entregue como presente pela entidade.

DSC_02700

Midia arts do SINDASP/CE

O Sindicato dos Agentes e Servidores Penitenciários do Estado do Ceará (Sindasp/CE) é uma entidade que diariamente lida com questões delicadas. A categoria sofre com a ausência de equipamentos adequados, um baixo efetivo e os constantes assassinatos de agentes.

Diante desse cenário, foi preciso desenvolver uma ferramenta de comunicação que continuadamente levantasse a autoestima dos trabalhadores e reforçasse a sensação de unidade e da importância do trabalho desenvolvido. Foi desta forma que surgiram as primeiras artes para o site, que atualmente são postadas no Facebook do sindicato.

615855_493822903971044_625903521_o

Muitas foram feitas para convocar os trabalhadores e tantas outras para denunciar as mortes e lembrar aos trabalhadores que eles não estão sozinhos. Em uma delas, a imagem em destaque dos agentes, que entraram em greve, e não aceitaram serem retirados da penitenciária para garantir a presença dos 20% de agentes no local de trabalho (regra para categorias de serviço considerado essencial), foi vinculada a frase “categoria de guerreiros”, o que virou mote dos trabalhadores e da direção da entidade, que passou a repetir constantemente “somos uma categoria de guerreiros”.

524442_394832070536795_1237883534_n

As artes foram bastante compartilhadas pela categoria, e logo passaram a ser criadas para a própria agencia e também para os demais clientes. Com novos programas gráficos sendo desenvolvidos, a Metamorfose agora, está criando artes com características mais próximas a mídia social, como é o caso da mídia art.

Um exemplo, é a arte sobre sindicalização feita para o Sindicato dos Gráficos do Ceará (Sintigrace) que trás a foto de Bezerra da Silva, com a citação “malandro é malandro, mané é mané”.

261944_594330463920287_2079029360_n

428740_593986183954715_821958781_n

TV peão

Não tem como negar: Os trabalhadores da construção civil são um exemplo. Eles não só tem muita consciência de seu papel social como são participativos e nos surpreendem com a vontade que tem de construir o seu sindicato.

Quando nossa equipe foi contratada para criar e mais tarde para alimentar o site do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil da Região Metropolitana de Fortaleza (STICCRMF), não podíamos imaginar o que estava por vir.

Tudo começou aos poucos, o STICCRMF não possuía site e uma cultura virtual, precisávamos avançar com o número de acessos para que a categoria tivesse no site www.vozdopeao.com uma fonte segura de informação.

O próprio nome do site foi criado para não dificultar o acesso e sua compreensão.

A equipe de comunicação, percebeu que um dos diretores, Laercio Clayton, tinha o hábito fazer filmagens durante as visitas nos canteiros. Estava assim criada a TV peão. Espaço no site onde eram postadas as imagem coletadas pelo diretor. A ideia colou, e não tardou para a categoria começar a produzir seus próprios vídeos, alguns deles com direito a narrativa. Denuncias de má alimentação e visitas do sindicato, passaram a ocupar o espaço virtual e a receber fiéis seguidores.

A equipe de comunicação passou a contar com os próprios peões, caso acontecesse um acidente que não pudesse ser gravado ou que a empresa tentasse disfarçar, lá vinha a categoria pedindo para que a equipe ligasse o “bluetooth” e num toque estavam disponíveis as imagens. Foi assim, que a categoria chegou a fornecer até para a grande imprensa imagens exclusivas de um acidente no qual a construtora lavou o sangue do chão para impedir a divulgação de imagens.

Das primeiras filmagens feitas por operários até a a TV peão ocupar um espaço na grande mídia foi um pulo.

A greve de 2012, foi o marco para construção de um programa gravado para a categoria. Naquele ano, a criminalização feita pela grande mídia era (como sempre) grande, e apareceu uma oportunidade de contratação de certo tempo do programa Nossa Terra Nossa Gente veiculado n a Tv Metrópole O sindicato ocupou o espaço. E em igual velocidade, os videos passaram a ser compartilhados e comentados por pessoas de vários locais do Brasil.

A característica principal do programa está no fato de que ele é feito com a mesma visão de comunicação sindical que é utilizada no site. As matérias são gravadas pela jornalista da entidade que busca pautas voltadas ao interesse da categoria em greve. Além disto, não há distorção e existe uma maior compreensão dos assuntos a serem tratados.

Em 2013, a Tv peão segue com o seu trabalho, acompanhando os primeiros movimentos paradistas dos operários. Ainda dentro do programa Nossa Terra Nossa Gente, agora veiculado na Tv Ceará.

E como não poderia deixar de ser, os operários novamente tomaram de conta desse produto de comunicação e se referem a jornalista como ” minha repórter loirinha”, além de cobrar a próxima matéria, elogiar o trabalho e pedir para serem entrevistados.

Veja os programas:

http://youtu.be/_5m85k4VvO8

http://youtu.be/LmuI65Z93v4

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s